Digitalização e Tratamento da Filmoteca Ultramarina Portuguesa – DigiT FUP
Imagem Digital na dupla função de transferência de suporte e restauro documental

Digitalização e Tratamento da Filmoteca Ultramarina Portuguesa – DigiT FUP
Imagem Digital na dupla função de transferência de suporte e restauro documental

Instituição Proponente: Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT).
Instituições Participantes: Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT/UNL); Universidade de Kentucky (UK).
Equipa: IICT – Mª da Conceição Casanova, Ana Canas, Victor Rodrigues, Catarina Mateus, Catarina Gonçalves, Yuri Binev; FCT/UNL - Maria João Melo, Ana Ramos, Rui Jesus (Center for Informatics and Information Technologies – CITI), Sandra Lopes (aluna de Mestrado); João Ferreira (BI); UK: Brent Seales.
Coordenador: IICT: Mª da Conceição Casanova
Apoios: Fundação Calouste Gulbenkian; Fundação Jorge Álvares.

Agradecimentos: José Carlos Rodrigues (IICT) e Joana Silva (FCT-UNL) pela colaboração no processo de investigação. Filomena Rita e Octávio Afonso (IICT), pelo apoio técnico na identificação dos microfilmes.

Enquadramento do DigiT FUP

O projeto DigiT FUP, financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito do concurso de Recuperação, Tratamento e Organização de Acervos Documentais, entre 2013-2014, visa dar continuidade ao tratamento digital sistemático da FUP e proceder à sua disponibilização no Arquivo Científico Tropical Digital (actd.iict.pt).

O que é a Filmoteca Ultramarina Portuguesa (FUP)

A FUP foi criada com o objetivo de reunir em microfilme os principais núcleos documentais relativos à ação dos portugueses no mundo, provenientes de diversos arquivos e bibliotecas nacionais e estrangeiros. Em franco desenvolvimento entre as décadas de 50 e 60 do século XX, ela é constituída por mais de meio milhão de exposições, havendo uma parte considerada já irrecuperável, dado o seu estado de degradação.